sábado, 19 de janeiro de 2013

Haroun e o mar de histórias – Salman Rushdie



Uma história para os amantes de histórias

“Haroun guardou para si seus sentimentos sobre brilhantina. Uma coisa ele sabia: que o mundo real era cheio de mágica, de modo que os mundos mágicos podiam muito bem ser reais.”

De onde afinal vêm as histórias? Talvez esse seja um PCD+P/EX, ou seja, Um Processo Complicado Demais Para Explicar. Mas se você estiver pronto para embarcar num mundo de fantasia e onde coisas absurdas podem ser verdade. Rushdie tem o livro perfeito para você.

Haroun e o mar de histórias” nos apresenta a história de Rashid Khalifa, um contador de histórias profissional,super aclamado e reconhecido como o melhor de todos, o Mar de Idéias. Porém após um problema familiar Rashid perde o seu dom. É então que seu filho Haroun, penalizado pela dor do pai, decide encontrar uma forma de trazer a alegria de seu pai de volta. Haroun descobre que as histórias de seu pai possuem uma raiz mais fantástica que qualquer outra história. Seu pai era alimentado por uma torneira mágica vinda de uma lua invisível, onde se encontra o Mar dos Fios de Histórias, que na verdade é a maior biblioteca do universo, e lá se encontram todas as histórias que foram, são ou que ainda serão. Porém este mar corre perigo, já que alguém vem envenenando as histórias. O menino então inicia sua aventura para salvar o Mar e o dom de seu pai.


A escrita de Salman Rushdie é bastante simples, mas absolutamente fluída e contagiante, e por vezes bastante poética. O autor sabe muito bem usar expressões e trocadilhos divertidos que combinam muito bem com o tom leve da narrativa. Um exemplo que me conquistou logo de início foi o apelido dado ao personagem Rashid – O Xá do Blá-blá-blá. É simplesmente ótimo.

Apesar de ser um livro infanto-juvenil ele é enganadoramente simples, e em nenhum momento subestima a capacidade do leitor e consegue de forma sutil levantar questões importantes sobre censura, liberdade, individualidade, valores morais, totalitarismo.

“Mas mas mas, disse o Gavião MasMas, “qual é o sentido de se dar as pessoas Liberdade de Expressão, e depois dizer que elas não devem utilizá-la? E não é o Poder da Palavra o maior de todos os Poderes? Então decerto deve ter plenas garantias de exercício!”

Recomendado a todos que gostam de uma boa história e que acreditam em seu poder.

créditos


 








terça-feira, 8 de janeiro de 2013

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

domingo, 30 de dezembro de 2012

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Melhores leituras de 2012


 
Foi bem difícil escolher os melhores livros do ano, mas acho que estes foram os mais marcantes por uma razão ou outra. Não incluí releituras, pois seria injusta neste caso já que este ano reli três dos meus livros favoritos da vida.
 
PALESTINA – JOE SACCO
Li muitos quadrinhos este ano (na verdade foi o ano em que descobri os quadrinhos de fato). E sem dúvida posso dizer que Sacco se tornou meu quadrinista favorito. Trata-se de um reportagem investigativa sobre a Palestina em forma de quadrinhos; O autor retrata a Palestina, mostrando aspectos de sua cultura e alterando a imagem estereotipada que temos dos árabes, mas o faz com humor, sarcasmo e ironia na dose certa, sem que, com isso, a obra perca a seriedade do assunto que ela envolve.
 
FESTA NO COVIL – JUAN PABLO VILLALOBOS
Assustador e cômico. Essas duas palavras descrevem com perfeição o que é este livro que narra um mundo extremamente violento pelos olhos de uma criança. Impressionante
 
 
 
AS INCRÍVEIS AVENTURAS DE KAVALIER & CLAY – MICHAEL CHABON
O romance conta a história de dois primos judeus, Kavalier e Klayman, jovens artistas que durante o ano de 1939 criam um novo herói de quadrinhos, influenciados pelo sucesso do Super-Homem. A “época de ouro” dos quadrinhos é o pano de fundo da trama, já que os protagonistas criam um dos heróis mais famosos da época “O Escapista”. Falando assim pode parecer uma história simples e até boba, mas o livro é uma grande tragédia. Em suas páginas muitas surpresas e reviravoltas estão escondidas, bem como muitos momentos que convidam o leitor à reflexão. Outro grande trunfo do livro são os personagens: densos, complexos e muito bem construídos.  Vale a leitura mesmo para aqueles que não gostam de quadrinhos.
  
GRANDES ESPERANÇAS – CHARLES DICKENS
A escrita de Dickens é absolutamente encantadora, poucas vezes me envolvi tão profundamente com um personagem como o fiz com Pip. É possível sentir cada uma de suas dores, compartilhar seu remorso e se revoltar com tamanha crueldade com que ele é tratado. É um livro triste, mas poucas vezes li um livro tão belo. Com certeza lerei mais obras do autor.
 
 
LIVRO – JOSÉ LUÍS PEIXOTO
A maior surpresa e a melhor leitura do ano (e uma das melhores da vida). Quando o comprei não sabia NADA sobre a história ou sobre o autor, mas quando comecei a ler fiquei simplesmente apaixonada. “Livro” conta a história de Ilídio e Adelaide primeiramente em um ambiente rural que atravessa os anos miseráveis da ditadura salazarista e depois a imigração para a França.
A história é claramente dividida em duas partes, que são quase com livros distintos, tamanha a capacidade do autor de mudar o tom da narrativa. Ele brinca com o narrador e o leitor de forma encantadora. Não posso falar muito além disto para não estragar a experiência de quem decidir se aventurar por estas páginas deliciosas. 
PS: Também li “Nenhum olhar” e fiquei encantada da mesma forma, mas não achei justo  colocar dois livros do mesmo autora na lista. Mas que ele merece, isso merece.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Música para os ouvidos #1

Para começar os trabalhos nada melhor que uma pequena demonstação do que é uma banda que realmente se importa com a música.
Sim, é a minha banda favorita e está comigo há apenas metade da minha vida.
Com vocês: PEARL JAM




PS: Não estranhem se eles aparecem por quai muitas e muitas vezes...

Música para os ouvidos #Apresentação.

Nova seção por aqui.
Pode parecer redundante falar em "Música para os ouvidos", mas não! Em um mundo em que cada vez mais as músicas parecem desprovidas de alma e que a única coisa que conta é o visual, danças ou bailarinos, grandes figurinos, pirotecnia ou atitudes polêmicas... enfim um mundo em que a MÚSICA na verdade parece ser o que menos importa, este é um espaço para aqueles que ainda dão valor aquilo que realmente importa.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

E a felicidade reina por aqui hoje. Por que?


A volta dos que não foram

Hora de tirar a poeira e recomeçar!
Como sempre deixei claro este blog não tem pretensão alguma. É apenas um espaço para colocar minhas opiniões, desabafos ou o que mais me vier a cabeça.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Em manutenção


Sim o blog vai voltar em breve. Estou me programando e modificando algumas coisas.

sábado, 25 de agosto de 2012

DL2012: Histórias Extraordinárias – Edgar Allan Poe

Esta postagem é parte do Desafio Literário 2012, que no mês de agosto tem como tema Terror.

SINOPSE: “O homem sempre sentiu medo, sobretudo daquilo que não pode entender,do incerto e — porque não dizer — do proibido. Talvez por isso o horror tenha algo que nos afaste, mas que também nos atraia e nos deixe fascinados. E foi desbravando essa estranha e ambígua sensação que o contista, crítico e poeta norte-americano Edgar Allan Poe se consagrou como um dos mestres do gênero do terror e o pai da literatura policial. Ambientes sombrios, ruas desertas, esquinas escuras, mansões malditas, assassinatos misteriosos e personagens sobrenaturais compõem a atmosfera gótica que tanto marcou suas histórias de terror. Poe detém o poder de envolver o leitor desde a primeira frase. Ele nos conduz pelo conto, deixando escapar apenas o que devemos saber naquele momento, mantendo o suspense até o desfecho invariavelmente inesperado. Mas sua fina ironia, seu sarcástico humor e suas inigualáveis lógicas e sagacidade também são elementos que cunharam a obra desse homem que influenciou de forma decisiva o conto moderno de horror. Ler as histórias de Edgar Allan Poe nos faz regressar aos tempos de infância, em que os maiores medos despertavam o horror, mas também deixavam um estranho desejo de sentir o corpo arrepiar, só mais uma vez. Uma experiência inigualável.”

 

“Histórias extraordinárias" é uma coletânea de contos publicados no século XIX e foi o meu primeiro contato com Poe. A escrita do autor  é extremamente refinada e detalhista, mas em nenhum momento isto torna a leitura pesada ou desagradável. Ao contrário de grande parte das histórias escritas atualmente, aqui o terror não vem de uma criatura ou algo do gênero, mas sim dos próprios medos e dramas psicológicos dos personagens. Mas confesso que em nenhum momento da leitura fiquei realmente com medo (afinal esse é o objetivo do terror não?), então o livro perdeu alguns pontos por isso. Mas o livro é de fato muito bom.
Related Posts with Thumbnails